Da TV para a tela grande, “Patrulha Canina” e as patinhas cinematográficas

UCI abre pré-venda de “Turma da Mônica: Laços”
6 de junho de 2019
Indicados ao EMMY 2019
16 de julho de 2019
rx online

Após um misterioso meteoro cair na Baía da Aventura, Chase, Rocky, Marshall, Skye, Everest, Rubble e Zuma correm para tentar preservar o local, mas acabam passando por uma experiência muito diferente. Ao presenciarem uma estranha energia verde emanando da cratera, eles ganham poderes.

Esse é o mote principal de “Patrulha Canina — Super Filhotes” (Dir.: Charles E. Bastien, 2019), que na verdade possui mais outros dois. Sim, inesperadamente há 2 episódios que são exibidos após a história principal. O “longa” tem estrutura de programa de tv, no estilo TV Globinho, com dois apresentadores-mirins e narra 3 historias: uma com 40 minutos e outras duas com 20 minutos. O que é um molde bem diferente do que se espera para o cinema. Ou seja, o filme é um média-metragem (o episódio final da quinta temporada) somado a mais dois (curtas) episódios inéditos.

Patinhas super poderosas

Quem acompanha os filhotes na Tv, vai notar que não há praticamente nenhuma diferença da técnica da animação transposta para a tela grande, tampouco em algum outro aspecto. Aqui tudo é muito colorido e com uma mensagem positiva sobre trabalho em equipe. Um aspecto interessante da obra é que não há, entre os filhotes, nenhum líder fixo. Dependendo da situação que eles vão enfrentar, um ou outro toma a dianteira, o que dá espaço para todos terem a sua importância dentro da narrativa.

Everest (centro) em um dos seus poucos momentos de tela.

O grupinho é formado por 7 cães, e apenas dois deles são garotas (Skye e Everest). É discrepante a diferença numérica e de abordagem entre eles, e nem Everest ou Skye em momento algum lidera nenhuma missão dentro dos 3 episódios.

Embora não aborde nada novo, “Patrulha Canina — Super Filhotes” é divertido e cheio de elementos que vai fazer os fãs vibrarem durante a projeção. E na real, é exatamente essa a proposta da obra: unir as crianças para assistirem juntas, na tela grande, bons episódios.

 

NOTA: 2,5 / 5,0

Nathalie Alves
Nathalie Alves
Cinéfila, nerd e feminista irremediável. Ama games, HQs, comida, RPG, boardgames, podcast, literatura, música, séries...não necessariamente nessa ordem. Estudou letras e cinema na UFPE, e administração no IFPE, desenvolvendo diversas pesquisas e projetos de extensão sobre a representação e a representatividade da mulher na cultura pop. Assiste em média 15 filmes por semana, crê piamente em vida extraterrestre e que a Cate Blanchett e a Léa Seydoux com cabelo azul são a personificação da beleza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

T.J. Hockenson Jersey