Entrevista com Lucas Veloso, o dublador do castor Gus de “O Parque Dos Sonhos”

Capitã Marvel ganha balde de pipoca exclusivo na Rede Cinépolis
1 de março de 2019
A Cinco Passos De Você e a fórmula das adaptações YA
28 de março de 2019

Lucas Veloso, dublador de "O Parque dos Sonhos"

rx online

Aproveitando o lançamento nacional da mais nova animação da Paramount, “O Parque dos Sonhos”, entrevistamos o ator, humorista e dublador do personagem Gus, Lucas Veloso.

Bem-humorado, atencioso e comunicativo, o artista, que veio ao Recife no último dia 08, conversou com a nossa equipe sobre seu novo trabalho, dublagem, depressão e a importância de se cultivar a imaginação.

Confira a entrevista:

 

Escrocríticas – Hoje, estamos vivendo uma era diferente nos filmes de animação. Cada vez mais os filmes tidos como sendo ‘para crianças’ estão tratando de temas mais sérios, como é o caso de “Minha Vida de Abobrinha” que fala sobre abuso infantil, e o “Menino e O Mundo” que trata do abandono. Agora nós temos “O Parque dos Sonhos” , que tem como principal tema a depressão, e que traz um poderoso discurso sobre não se entregar para a escuridão. Como você vê o impacto disso na experiência do público-alvo do filme?

Lucas Veloso – Eu acho que esse tipo de filme vem para quebrar 2 preconceitos. O primeiro é o que diz que animação precisa ser para criança. O adulto tem preguiça de ver filme para criança, e eu acho isso uma besteira. Porque no meu top 10 de filmes, uns 5 são animações. E em segundo vem para quebrar o preconceito em falar desses assuntos delicados. Não é o primeiro filme que toca, tem outros filmes como você mesma falou, inclusive tem filme antigo que fala de temáticas mais delicadas, como a perda que trata “O Rei Leão”. agora falar em depressão, bullying, assédio e coisas mais polêmicas é uma aula ética e jornalismo também, porque não é preciso ser didático para tratar de um tema desse. Dá para você tratar desses temas de diversas maneiras dentro de um filme ou fora dele. E eu ainda acho um terceiro ponto: acho fundamental isso para a criança crescer e ser desprendida de ficar acuada se por algum acaso ela for assediada, estiver sofrendo bullying ou se estiver se sentindo presa nela mesma numa depressão. Eu acho que a criança tendo acesso a esse tipo de assunto, tratado tão bem dessa forma, ela fica livre para comentar esse problema com os pais, amigos e etc.

 

E – Então você vê isso não como uma forma de incentivo, mas sim como informação.

 

LV – Exato. E em momento algum no filme vocês vão ouvir a palavra depressão, mas a situação está ali desenhada. Então a criança que vê vai saber pedir socorro. É um serviço público isso aqui.

 

E – No cânone da dublagem nacional, o que temos como referências hoje são vozes com sotaques do eixo Rio-São Paulo. Como se deu esse teu processo de dublagem com você sendo nordestino?

 

LV – Que pergunta boa! Obrigado. Eu sempre segurei meu sotaque em qualquer lugar: na novela, nos trapalhões eu até deixei. Mas não é uma coisa que eu bato o pé, “pô, vão tirar o meu sotaque”. Assim, se precisar eu tiro. Se um dia eu for interpretar um gaúcho não posso dizer ‘oxente’, né? Vou ter o respeito com a cultura deles como eles precisam ter com a nossa também. Mas aí, tanto eu quanto Wendel (diretor de dublagem do filme) concordamos que não era tão importante assim tirar o sotaque. Eu sou um dos caras que sou contra ficar impondo ao Brasil inteiro que o sotaque da novela, do filme, tem que ser o do eixo Rio-São Paulo, porque o Brasil não é só Rio e São Paulo. A gente tem o Pará, Goiás que é maravilhoso, o nordeste inteiro, o sul também. Então assim, se o Brasil hoje está pregando a diversidade ele tem que ser diverso. Inclusive estou me oferecendo de coach aqui para ensinar sotaque nordestino na novela da Globo (risos).

 

Cena do filme O Parque Dos Sonhos

 

“O Parque dos Sonhos” estreia dia 14 de março nos cinemas de todo o país e vale super a pena.

 

Sinopse:

June é uma jovem sonhadora, que encontra pela floresta um parque de diversões escondido. Em Wonderland, tudo é possível, mas a desorganização está comprometendo o local. Vem mais descobertas por aí: June percebe que tudo é fruto de sua imaginação e ela é a única capaz de retomar o encanto de Wonderland.

Redação Escrocríticas
Redação Escrocríticas
O Escrocríticas é uma página de críticas, artigos e notícias sobre cinema e séries. Nossa proposta é abordar de maneira descontraída o texto crítico, aproximando o público do nosso olhar analítico sobre o audiovisual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

T.J. Hockenson Jersey