Falta emoção, mas sobra talento em Emily Blunt em O Retorno de Mary Poppins

Novo “Hellboy” ganha data de estreia no Brasil
20 de dezembro de 2018
Cineart Filmes garante diversidade de conteúdo para 2019
28 de dezembro de 2018

Emily Blunt como Mary Poppins

rx online

No final da adaptação cinematográfica original de “Mary Poppins” (1964), a babá com poderes mágicos e inexplicáveis promete não demorar a retornar. Balela. Mary Poppins só voltou às telas 54 anos depois, e até mesmo no tempo diegético do filme demorou quase 25 anos para voltar à antiga casa dos Banks.

Em “O Retorno de Mary Poppins” (Dir.: Rob Marshall, 2018), a personagem título (Emily Blunt) desce dos céus novamente com seu fiel amigo Jack (Lin-Manuel Miranda) para ajudar Michael (Ben Whishaw) e Jane Banks (Emily Mortimer), agora adultos trabalhadores, que sofreram uma perda pessoal. As crianças Annabel (Pixie Davies), Georgie (Joel Dawson) e John (Nathanael Saleh) vivem com o pai na mesma casa de 24 anos atrás e precisam da babá enigmática e o acendedor de lampiões otimista para trazer alegria e magia de volta para suas vidas.

É evidente que o diretor Rob Marshall e o roteirista David Magee não quiseram apenas fazer uma continuação do filme anterior, mas sim um complemento do mesmo, lançando luz sob os tradicionais felizes para sempre dos filmes da Disney. E tudo isso é construído em cima de bastante nostalgia, como a menção e até a presença de personagens antigos, e a reutilização de acordes das músicas e dos cenários do longa de 64 na criação de um ambiente e musicalidades diferentes e mais modernas, como a inserção do Rap em número musical.  

O novo roteiro traz dramas mais pesados, como a temática da morte, ao mesmo tempo em que soa mais vazio de sentimentos e emoções causadas no espectador e principalmente nos personagens. Falta emoção a todos os personagens coadjuvantes e figurantes nas cenas onde Mary Poppins volta à residência dos Banks como no momento da despedida. É inaceitável, narrativamente falando, que, agora crescidos, Michael e Jane Banks sejam praticamente indiferentes ao retorno da sua inesquecível babá, haja vista eles terem sofrido muito com sua partida 24 anos atrás, ou até mesmo a pouca emoção transmitida em tela em seu novo adeus.

Outro estranho fator presente no longa, ou nesse caso ausente, é o apagamento da existência da Sra. Banks. Seja qual for a sua interpretação sintomática (machista ou feminista) acerca da obra de 64, é inegável a importância da matriarca da família para a narrativa. Pois bem, em “O Retorno…” a maioria dos personagens é relembrado através de falas ou representações, menos a Sra. Banks. Mas porque? Analisando duramente aspectos das duas obras, é notório o acovardamento da Disney na questão feminista, por exemplo. Se antes tínhamos uma Sra. Banks engajada no movimento Sufragista e fazendo campanha pelo direito ao voto das mulheres, mesmo que escondida do marido, agora não temos nem menção a sua existência, Jane que deveria ser o derivado dessa mãe, somente pincela discretamente sobre o movimento sindical que tomava força em Londres após a quebra da bolsa de valores de 1929. Isso só prova que o longa não conseguiu se reinventar de maneira eficiente, e ainda carrega anacronismos que incomodam, como o desconforto da própria Mary Poppins quando indagada sobre sua idade e seu peso, respondendo com rispidez que não se deve perguntar a idade de uma mulher. Novamente: mas porque? A mulher precisa mesmo se manter presa a esses padrões de gêneros que talvez fossem considerados normais em 1930? Ok que Mary Poppins é mágica e se tornará jovem para sempre, porém “O Retorno…” é um filme feito para um público de mortais e trouxas (no sentido de sem magia, mas dependendo do seu caso pode ser no sentido literal mesmo) em 2018, e sinceramente não dá para engolir mais esses estereótipos de gênero quando não abordados criticamente dentro da obra.

Mary Poppins toda animadinha porque não ia precisar andar para salvar a família Banks novamente.

É bem verdade que Emily Blunt tinha a difícil missão de reinterpretar a personagem que foi imortalizada, pela ganhadora do Oscar por esse mesmo papel, Julie Andrews. Entretanto, a atriz transforma a personagem em uma quase super-heroína, através de uma interpretação enérgica e competente, transbordando para a tela todo o seu talento e carisma quase que surreais, mesclando magistralmente o temperamento doce e levemente duro da personagem principal. Que mulher!

A trilha sonora serve ao filme como um bom musical deve ser servido, com músicas que encaixam e dialogam perfeitamente com a trama, e números musicais inseridos organicamente em transições de cenas e/ou espaços, utilizando bem os personagens, cenários, o figurino e as inserções em animação 2D, propositalmente extravagantes.  

“O Retorno de Mary Poppins” é, até certo ponto, uma atualização e revitalização da história inicial, porém não do discurso. O sentimento que fica é de que o longa de 1964 é essencialmente referenciado aqui, como também é mais corajoso. Todavia, é a volta da magia dos Estúdios Disney que outrora articulou de maneira mais bem-sucedida, dentro do enredo, as relações de nossos heróis proletários, como a babá, o acendendor de lampião, a sufragista… mas que ainda encanta com números musicais efervescentes e performances deliciosas.  

P.S.: Quer expandir mais o seu conhecimento sobre o processo de filmagem e as tretas no set do clássico Mary Poppins de 1964? Então recomendamos fortemente o longa “Walt Nos Bastidores de Mary Poppins”(2013). Um petardo!  

 

NOTA: 3,5 / 5,0

Nathalie Alves
Nathalie Alves
Cinéfila, nerd e feminista irremediável. Ama games, HQs, comida, RPG, boardgames, podcast, literatura, música, séries...não necessariamente nessa ordem. Estudou letras e cinema na UFPE, e administração no IFPE, desenvolvendo diversas pesquisas e projetos de extensão sobre a representação e a representatividade da mulher na cultura pop. Assiste em média 15 filmes por semana, crê piamente em vida extraterrestre e que a Cate Blanchett e a Léa Seydoux com cabelo azul são a personificação da beleza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

T.J. Hockenson Jersey