Os 3 melhores curtas da XII Edição do Janela Internacional de Cinema do Recife

UCI Cinemas traz de volta às telonas “Pulp Fiction: Tempo de Violência” e “Indiana Jones”
5 de novembro de 2019
Festival Curta Cinema anuncia os ganhadores da sua 29° edição
13 de novembro de 2019

XII Edição do Janela Internacional de Cinema do Recife

rx online

Confira nossa lista com os melhores curtas entre as mostras nacional e internacional

O Janela se despediu de 2019 com uma edição reduzida, mas mesmo assim bastante provocadora. Entre os mais de 15 curtas que foram exibidos dos dias 6 ao 10, 3 chamaram a atenção da crítica que vos fala. A minha relação com a curadoria de curtas do Janela sempre foi de amor e questionamentos sobre o que é cinema ou de como seria possível medir qualidade de filmes. E dessa vez não foi diferente, filmes com olhares e narrativas diversos tomaram a tela do Cinema São Luiz, do Cinema da UFPE, do Cinema do Portomídia e do Cinema da Fundação (Derby). Nessa pequena lista trago 3 dos melhores curtas-metragens do Festival.

 

Rise

 

Rise – Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

Rise, curta nacional coproduzido também pelo Canadá e Estados Unidos, acompanha uma comunidade de jovens artistas, músicos e poetas em um ato de autoempoderamento através de música e poesia na periferia de Toronto, no Canadá. A obra pulsa identidade, e através da musicalidade e da forma em que é filmado, transporta o espectador para o ambiente retratado, que, diga-se de passagem, é deveras charmoso. Bárbara e Benjamin sabem como filmar. É inacreditável a qualidade visual das imagens, esses dois dão muito certo juntos.

 

Peixe

Peixe – Yasmin Guimarães

A sinopse oficial do curta-metragem Peixe é: Marina é uma jovem mulher que trabalha em belo horizonte realizando entregas com a sua bicicleta. Entretanto, o curta de Yasmin Guimarães vai muito além disso e entrega cenas lindíssimas, bem filmadas e carregadas de significados pessoais. Em conversa com a diretora, ela relata que a cena final do seu filme é praticamente documental, uma transposição das horas de faxina na sua casa para a tela. É de muito bom gosto também as cenas na balada, com cores vibrantes e trilha sonora envolvente. Da atriz principal é exigido um pouco mais de expressões para atuações em cenas de conflito, e da diretora, embora tenha ótimas soluções para uma cena de atropelamento específico no filme, talvez precise caprichar um pouco mais no texto. E o final, é catártico, sublime. 

 

Sete anos em maio

Sete anos em maio – Affonso Uchoa  

O diretor Affonso Uchôa conheceu o protagonista do seu documentário, Rafael dos Santos, através de amigos em comum no bairro Nacional, em Contagem. Algum tempo depois, Fael desapareceu repentinamente do local. Affonso veio a saber, anos mais tarde, que a jornada do amigo envolveu tortura e ameaça policial, exílio forçado e vício em drogas. Mesmo com uma duração pouco usual para um curta-metragem, 42 minutos, Affonso prende e choca o público com relatos carregados de realismo e detalhes acerca de uma espécie de milícia que atua em comunidades pobres de Minas Gerais. Há um jogo de sombras que eleva a obra a um nível muito rebuscado da imagem que se espera de um documentário. A forma com que Uchoa conduz o relato de Rafael impressiona pela imagem e pelo texto, sem julgamentos, somos levados por um caminho obscuro, muito provavelmente distante da nossa realidade. O diretor é mestre em escancarar problemas sistematizados da nossa sociedade, como o racismo, a desigualdade e a truculência policial , esse talento se torna indiscutível no plano final que é acachapante. Um verdadeiro petardo.

Nathalie Alves
Nathalie Alves
Cinéfila, nerd e feminista irremediável. Ama games, HQs, comida, RPG, boardgames, podcast, literatura, música, séries...não necessariamente nessa ordem. Estudou letras e cinema na UFPE, e administração no IFPE, desenvolvendo diversas pesquisas e projetos de extensão sobre a representação e a representatividade da mulher na cultura pop. Assiste em média 15 filmes por semana, crê piamente em vida extraterrestre e que a Cate Blanchett e a Léa Seydoux com cabelo azul são a personificação da beleza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

T.J. Hockenson Jersey